Lendas sobre PCs e informática que todos devem saber

1. Faz mal ao PC ter ímãs colados à Gabienete (caixa que contém a CPU). Falso. Nenhum problema com a Gabienete (caixa que contém a CPU), mas não podemos dizer o mesmo do monitor, pois desgasta suas cores. Evite a qualquer custo utilizar equipamentos imantados muito próximos aos monitores, pois as cores podem resultar distorcidas.

2. Empurrar o cd com o dedo para inserí-lo na Gabienete (caixa que contém a CPU) é prejudicial ao equipamento. Falso.Nada a ver. Nada irá acontecer se você empurrar com uma força normal. Foi feito exatamente para isso.

3. Água ou café derramada sobre o teclado pode arruinar seu funcionamento. Verdadeiro. Estragam as trilhas metalizadas que estão embaixo das teclas. Podem criar um curto-circuito e queimar.

4. É necessário ter espaço entre o monitor e a parede atrás dele. Falso. Monitor não é geladeira. O ambiente em geral deve estar ventilado, mas não é indispensável que seja muita a distância. É muito pior ter outro monitor atrás (como acontece em muitos escritórios) porque pode haver o risco de ter interferências entre os PCes.

5. Quando o PC passou a noite toda ligado, é melhor desligá-lo e voltar a reiniciar. Falso. Pode seguir ligado sem problema algum. Ainda que pareça o contrário e dê vontade de desligá-lo um momento para que descanse, seguindo a lógica humana, o Disco Rígido dura muito mais se permanecer ligado e não sendo o tempo todo ligado e desligado. Por uma questão de economia de energia, não convém deixar ligado por vários dias, mas se não levarmos em conta o fator do aquecimento global seria muito melhor para o PC nunca desligá-lo. Eles foram criados para isso.

6. Gasta mais energia ao ser ligado do que em várias horas de uso. Falso. Ao ligar não consome tanto como para superar as horas de funcionamento. Ao desligar poupa-se energia e se permanecer ligado gasta, como qualquer outro eletrodoméstico.

7. Faz mal ao PC ter algum celular por perto. Falso. Sem problema algum, no máximo um ronco provocado pela interferência de uma chamada.

8. Depois de desligar o PC é melhor deixá-lo descansar uns segundos antes de voltar a ligar. Verdadeiro. É recomendável esperar no mínimo alguns segundos antes de voltar a ligá-lo. 10 segundos deve ser o suficiente.

9. Mover a Gabienete (caixa que contém a CPU) quando o PC está ligado pode queimar o Disco Rígido. Falso. A força centrífuga com que gira o Disco Rígido é tanta que não acontece nada ao se mover a Gabienete (caixa que contém a CPU). Muito menos ainda em se tratando de um notebook, porque eles foram feitos para isso.

10. Pelo bem do monitor, é conveniente usar protetor de tela quando não está em uso. Verdadeiro. Porque o mecanismo do protetor de tela faz com que o desgaste das cores da tela seja uniforme. Ao renovar as imagens constantemente, não se gasta num mesmo lugar.

11. Quando há chuva forte, é absolutamente necessário tirar o plugue do PC da tomada. Verdadeiro. Deveria ser adotado como uma obrigação no caso de uma chuva muito forte, com muitos raios e trovões. Da mesma forma, é aconselhável retirar os cabos do telefone e da alimentação do modem para que não queimem com a descarga de raios.

12. Não é conveniente olhar a luz vermelha que está embaixo do mouse óptico. Verdadeiro. Pode até não deixar ninguém cego, mas é uma luz bastante forte que pode sim fazer mal a retina.

13. Nos notebooks deve-se acoplar primeiro o cabo de eletricidade à máquina e somente depois esse cabo a tomada. Falso. Tanto faz. Quase todos os equipamentos portáteis atuais tem proteção de curto-circuito e são multi-voltagem, podem ser ligados em tensões de 90 a 240 volts, pelo que são sumamente estáveis.

14. Ao desligar o PC convém também desligar o monitor. Falso. Outra vez, tanto faz. Ao desligar a Gabienete (caixa que contém a CPU), o monitor fica num estado em que consome muito pouca energia (pouca coisa mais que 1W) e não sofre desgaste algum. A decisão termina sendo em função da economia, ainda que o consumo seja realmente mínimo.

15. Não se deve colocar cds, disquetes ou qualquer outro elemento sobre a Gabienete (caixa que contém a CPU). Falso. Lógico, nada do que é colocado sobre a Gabienete (caixa que contém a CPU) pode ser afetado ou avariado, a não ser que esteja úmida e a água possa chegar ao equipamento.

16. O PC nunca pode ficar ao sol. Verdadeiro. Se ele esquentar mais do que o habitual, sua vida útil tende a decrescer. Por isso nunca é boa idéia instalar o PC próximo a janelas onde bate o sol.

17. Se mais de 80% do Disco Rígido tiver sendo usado, a máquina se torna mais lenta. Verdadeiro. Sempre é uma questão de porcentagem. Por mais que se tenha 20 Gb livres, se for menos de 20% da capacidade do disco, o funcionamento do PC será lento.

18. Não se deve tirar o pen drive sem avisar à máquina. Verdadeiro. Deve ser selecionada a opção ‘Retirar hardware com segurança’ antes de retirá-lo. Caso contrário, corre-se o risco de queimar a memória do USB.

19. Ter o desktop cheio de ícones deixa o PC mais lento. Verdadeiro. Não importa se são ícones de programas ou arquivos. O que acontece é que a placa de vídeo do PC renova constantemente a informação apresentada na tela, e quanto mais ícones, mais tempo.

20. Desligar a máquina diretamente no botão, sem selecionar previamente a opção de desligar o equipamento, estraga o Disco Rígido. Verdadeiro. O Disco Rígido pode queimar ao ser desligado enquanto ele ainda está lendo ou escrevendo em alguma parte do sistema. Ademais, quando a energia é desligada subitamente, as placas que cobrem o disco (que gira até 10 mil rotações) descem sobre ele e podem ir riscando até que alcancem a posição de descanso. Ao selecionar a opção ‘Desligar o PC’, todo o sistema se prepara para repousar e suspende todas as atividades. Cada peça vai ficar em seu devido lugar.

Desinstalar drivers impressora Windows7

1- Painel de Controle

2- Ferramentas Administrativas

3- Gerenciamento de Impressão

4- Drivers / Clique em sua impressora instalada / Clique em MAIS AÇÕES / Excluir

Fiquem com meu abraço!

Tio Dalton – Curitiba – PR – Paz e Luz!

Saiba como escolher o antivírus correto para seu computador

Créditos: http://g1.globo.com/platb/seguranca-digital/2012/06/04/saiba-como-escolher-o-antivirus-correto-para-seu-computador/

Se você tem alguma dúvida sobre segurança da informação (antivírus, invasões, cibercrime, roubo de dados, etc), vá até o fim da reportagem e utilize a seção de comentários. A coluna responde perguntas deixadas por leitores todas as quartas-feiras.

Escolher um bom antivírus parece ser difícil. Primeiro, porque não se pode escolher dois, e segundo, porque se trata de uma decisão para o futuro: eles precisam pegar os vírus que você ainda nem sabe que vão atacar. Então é muito comum procurar testes de antivírus, que vão apontar um ou outro software como o “vencedor”. O detalhe é que a maioria dos testes é ruim.

Esta coluna já afirmou em outras ocasiões que o mais importante em um antivírus é conhecê-lo – saber dos pontos fortes e fracos, em quais situações ele vai precisar de uma “ajudinha” ou quando pode não ser uma boa ideia confiar nele, porque antivírus também erram.  Os únicos laboratórios que fazem testes capazes de dar toda essa informação são o AV-Test e o AV-Comparatives.

As duas instituições divulgam seus relatórios na internet: aqui está o AV-Test e o nesta página os do AV-Comparatives. Se o teste antivírus não foi feito por um desses laboratórios, é bem provável que ele tenha algum erro de metodologia: testar antivírus é um negócio complicado que exige grande capacidade técnica para receber, analisar e organizar amostras de código malicioso.

AV-Test
Os relatórios do AV-Test são bem fáceis de interpretar. Os softwares são avaliados em três categorias:ProteçãoReparo e Usabilidade. “Proteção” é a capacidade média de um software para detectar ameaças passadas e futuras; “Reparo” diz o quão bom um software é para retirar vírus de um sistema infectado e “Usabilidade” se refere ao impacto no desempenho do sistema e alarmes falsos.

Notas dadas pelo AV-Test: 3 categorias com valores de 0 a 6. (Foto: Reprodução)

Na prática, isso significa que um antivírus com boa usabilidade tem mais chances de detectar apenas arquivos realmente maliciosos, enquanto um programa com baixa usabilidade irá detectar softwares legítimos, obrigando o usuário a buscar uma segunda opinião em alguns casos para não perder um arquivo.

“Reparo” e “Proteção” é mais fácil de entender: um antivírus com boa proteção é bom para identificar se há algo errado com o computador, mas um antivírus bom em reparo será o melhor para limpar uma máquina já infestada de malwares. Ou seja, se você pegar um antivírus com boa proteção e reparo ruim, pode, eventualmente, precisar instalar e usar temporariamente outro software com reparo melhor para limpar seu PC.

AV-Comparatives
O AV-Comparatives publica diversos relatórios distintos, mas, anualmente, publica também um relatório com um resumo de tudo o que foi analisado naquele ano.  Os relatórios do AV-Comparatives medem a detecção comum dos antivírus (“on-demand”), a detecção proativa (“proactive”), a detecção dinâmica (“dynamics protection”), falsos positivos e o desempenho – como o AV-Test.

Os testes de detecção proativa envolvem o uso de um antivírus desatualizado para tentar detectar pragas novas. Com isso, a ideia é medir as chances que um software tem de detectar ameaças que ele desconhece, sem criar vírus novos para isso.

Laboratório publica testes regulares de diversos tipos com os principais softwares do mercado. (Foto: Divulgação)

Para começar, é mais fácil ver diretamente o relatório resumido anual com as principais observações sobre cada produto. Uma nota Standard (STD, “Média”) indica uma proteção OK, Advanced (ADV, “Avançado”) significa uma proteção boa e Advanced+ (ADV+, “Avançado+”) significa uma proteção muito boa. Um antivírus que não ganhou uma nota Standard e está com ela apenas cinza, sem nenhum escrito, não foi bem avaliado.

O AV-Comparatives deixa claro que ter as melhores notas não significa que um antivírus será o “melhor para todo mundo”, já que existem diferenças consideráveis, como a interface do usuário ou o preço, que não são avaliados. O “antivírus do ano” para eles foi o Kaspersky, com destaque também para Avira, Bitdefender, Eset e F-Secure.

Uma diferença de ADV para ADV+, por exemplo, provavelmente não é muito significativa para você preferir ou um software ou outro, mas pode ser definitiva se está na categoria que mais é importante para você. Por exemplo, se você tem um computador lento, ou quer economizar a bateria do notebook, um ADV+ no teste de “Desempenho” pode ser o fator principal a se considerar.

Outro exemplo: para um antivírus de uso cotidiano, um ADV+ na capacidade de Reparo provavelmente não é tão importante quanto a capacidade de detectar um problema – porque aí você pode usar outro antivírus para auxiliar o reparo, quando ele for detectado. Se você nem souber que o problema existe, não adianta poder repará-lo!

Mas você não precisa concordar com a coluna — o importante é estar ciente das características do software e escolher aquele que tem os recursos melhores nas áreas que você acha importante.

A categoria de Falsos Positivos (alarmes falsos) é avaliada separadamente. De acordo com o AV-Comparatives, o melhor antivírus nesse quesito em 2011 foi o McAfee, com zero falsos positivos – provavelmente um resultado de novas políticas que empresa introduziu após o erro gravíssimo que apagou um arquivo do Windows em 2010; em segundo lugar está a Microsoft, com apenas dois falsos positivos. No entanto, os testes de alarmes falsos realizados em 2012 já encontraram 28 alarmes falsos do McAfee. A Microsoft ainda continua se destacando pelo baixo número de erros, porém também é o antivírus com menor taxa de detecção, com 93,1%.

Já os antivírus com menor impacto no desempenho do sistema (“low system impact”) foram Eset, Symantec, K7 e Avira.

Não existe um software que “é o melhor” para todo mundo – e nem é uma boa ideia que todos utilizem o mesmo programa: diversidade é importante para dificultar o trabalho dos criadores de vírus. Mas atente para cada detalhe apresentado nos relatórios, conheça quais são os pontos fortes e fracos do software. Jamais instale dois antivírus! Você pode usar um antivírus secundário temporariamente se isso for necessário para limpar uma infecção, mas não compare antivírus ou mantenha dois softwares instalados no mesmo PC.

Eu confio mais nesta reportagem anterior, mas de qualquer forma deixo aqui outros links para pesquisa e estudo:

http://info.abril.com.br/noticias/seguranca/qual-e-o-melhor-antivirus-gratis-30032012-0.shl

http://pcworld.uol.com.br/noticias/2012/02/06/saiba-quais-sao-os-melhores-antivirus-do-mercado-para-2012/

http://olhardigital.uol.com.br/produtos/central_de_videos/antivirus-gratuitos-testamos-os-melhores-produtos-do-mercado

http://www.superdownloads.com.br/tabela/comparacao-antivirus.html

O que é Ultrabook e qual suas vantagens – TecnoInfoBrasil

Uma nova era se inicia, e com ela suas novidades tecnológicas, uma das novidades que prometem chegar para ficar no mercado em 2012, são os Ultrabooks.



Mais afinal o que é um Ultrabook, qual suas vantagens. Essas são umas das maiores duvidas dos leitores atualmente.

( Imagem acima de um Ultrabook sendo sustentado nas pontas dos dedos )

Foi pensando nisso que resolvemos esclarecer essas e outras duvidas.


Pois bem, o Ultrabook é uma das maiores novidades no mercado mundial, e foi apresentado noCES 2012 como um novo formato para o velho notebook, deixando o para trás em diversos aspectos.

 Apresentado como um novo conceito de notebook, desenvolvido pela Intel. Em maio de 2011, a fabricante de chips investiu nessa nova classe de computadores e, desde então, empresas comoAcerAsusLG e HP já lançaram ou anunciaram modelos que seguem o novo conceito.

Veja expessura de um Ultrabook apresentado pela Intel no CES 2012

De acordo com a Intel para que um notebook se enquadrar na categoria de Ultrabook, é preciso que ele tenha menos de 21 milímetros de espessura, e o mais complicado, custe menos de mil dólares, aqui no Brasil essa faixa se estende a 2 mil reais de acordo com diretor de marketing da Intel no pais.


Mais ainda não chegamos nos seus pontos cruciais, o Ultrabook contem 3 grandes vantagens em comparação aos notebooks. Pouco pesohardware mais potente, e bateria com maior durabilidade


Os consumidores só contavam com 2 tipos de notebooks, os ultra-portáteis com hardware muito inferior aos convencionais, um exemplo de ultra-portátil é o netbook.
E posteriormente contavam com aqueles modelos superiores em questão de hardware, mais que nada tinha de portáteis, no qual consomem carga de suas baterias rapidamente.


Portanto, as principais vantagens dos Ultrabooks são:

  • Peso Inferior
  • Hardware Superior
  • Maior Durabilidade da Bateria
  • Baixo Custo

  • Demora entre 5 a 6 segundos para ser totalmente ligado



Esperamos ter esclarecido essas pequena duvidas a respeito do seguimento dos Ultrabooks.


Elaboramos uma pequena matéria, no qual seu entendimento seja melhor assimilado.


Equipe Tecnoinfobrasil agradece.

Vale a pensa comprar no Mercado Livre?

Sempre comprei no Mercado Livre. Na época possuía bons preços e juros razoáveis, mas não havia muita segurança, o cliente tinha que ter malícia para comprar.

Montei um computador inteiro comprando todas as peças por lá de vários fornecedores diferentes e um montei um excelente computador na época. Era um Qradricore G0 recém lançado com excelente custo-benefício.

Agora estava vendo para comprar um HD externo portátil USB 3.0 de 1000 Gigabytes ou 1 Terabyte – http://produto.mercadolivre.com.br/MLB-425493674-hd-externo-de-bolso-1000gb-super-slim-seagate-1tb-goflex-_JM – neste link aí.

O HD está custando R$ 374,00 a vista e em 3 vezes no cartão fica 3 x R$ 136,20 = R$ 480,60, mais o frete de uns R$ 20,00 na modalidade mais barata o que totaliza uns R$ 500,00.

Comparei com o preço da praça em Curitiba em local idôneo e barato com garantia e nota fiscal. O preço ficou R$ R$ 435,00 em até 6 vezes sem mais acréscimos 6 x 72,50. A vista ficou em R$ 410,00.

No Mercado Livre em 6 x a parcela sai por R$ 70,60 perfazendo um total de R$ 423,60 + frete 20,00 = R$ 443,60.

 

Comparativo apenas valores – HD 1 Terabyte

Na praça …………………………………… No mercado Livre

A vista: R$ 410,00 ………………………… R$ 394,00 (c frete)

Três vezes: 3 x 145,00 ……………………… 3 x 143,20 (c frete)

Seis vezes:  6 x 72,50 …………………………….. 6 x 77,60 (c frete)

 No Mercado livre o valor ainda irá variar ligeiramente para cima por questões de frete.

Então vamos fazer uma síntese de vantagens e desvantagens

Vantagens do Mercado Livre

  • Preço a vista é quase sempre o melhor;
  • Mais opções e variedades;
  • As explicações técnicas detalhadas costumam ser boas e favorecem a quem entende do assunto;
  • Garantia do Mercado Livre agora é obrigatória pelo código do consumidor.

Desvantagens do Mercado Livre

  • Preço parcelado é SEMPRE O PIOR independente da quantidade de parcelas;
  • Algumas empresas são sérias e emitem Nota Fiscal verdadeira, mas a maioria é contrabando de pessoas físicas sem CNPJ, prometem nota, mas no fim só emitem um recibo impresso em computador.
  • Prazo de entrega – aqui é o mesmo prazo de qualquer compra pela internet, mas vou colocar como desvantagem, pois pessoalmente a “entrega” é imediata;
  • Prazos menores de garantia das mercadorias, geralmente o mínimo obrigatório por lei – 3 meses;
  • Mercadoria com defeito, você pode devolver, mas tem que pagar o frete de retorno, tendo mais despesas e mais dor de cabeça e perde mais tempo de espera.

Mas pesquisando mais encontrei em outro lugar HD idêntico mais barato e com frete grátis aqui, melhor que as duas opções anteriores. Claro, que temos que ter cuidado onde comprar, mas amanhã mesmo 29/06/2012 vou ligar para lá e pedir o CNPJ antes de comprar e vou fazer meus backups de forma mais organizada.

Então o negócio é pesquisar e ver como está o contexto do que você precisa comprar. No geral o Mercado Livre está mais desfavorável atualmente, principalmente por causa do custo e da garantia e isto chama-se custo-benefício.

As vezes o barato sai caro e olhar nos olhos do comprador ainda é a melhor opção. Há lojas on-line boas que devem ser pesquisadas e comparadas também que oferecem TODAS as garantias e ainda mais alguma por conta de conquistarem o cliente. Como o Mercado Livre apenas intermedia, ele não se importa em conquistar o cliente, só se preocupa com volume de vendas.

iPad 2 x novo iPad

Vale a pena gastar seu dinheiro no novo produto da Apple?

Como já era esperado, o fenômeno se repetiu. O novo iPad está vendendo como água. Foram mais de um milhão de unidades por dia, apenas nos primeiros dias de comercialização. E esse número tende a subir mais ainda, à medida que mais países recebem a novidade.
Certamente muitos brasileiros em viagem por países em que a novidade já está à venda vão se sentir tentados a comprar o novo modelo. Mas, será que vale a pena correr e trocar o seu iPad 2 pelo novo? E mais: com a queda de preços do iPad 2, não valerá a pena apostar no modelo mais antigo, pelo menos por agora?
Para nós, brasileiros, a resposta é: muito provavelmente valerá a pena insistir com o modelo antigo por mais algum tempo. E a explicação é simples.

Ao comparar o novo iPad com o iPad 2, algumas novidades chamam a atenção. A primeira e mais falada é a tela, que agora tem a incrível resolução de 2046×1536 pixels. Como já foi dito, isso é mais resolução que uma TV Full HD. Resultado: imagens com nitidez impressionante. Mas, detalhe: a maior difererença será percebida em fotos, em ícones e, talvez, em games mais recentes. Em vídeos e em filmes – mesmo que eles estejam em alta definição, a diferença é menos evidente. Não há um ganho tão significativo na comparação com as imagens que o iPad 2 já exibe.

A câmera do novo iPad… Aí sim temos uma diferença bem grande. A do iPad 2 tem 1.3 megapixels. A do novo iPad tem 5 megapixels – além de um conjunto ótico melhor. Mas, cá entre nós, o iPad não tem exatamente entre suas primeiras funções substituir uma câmera fotográfica. Até pelo tamanho, um smartphone cumpre melhor a tarefa. Ou seja, uma câmera melhor é bom? Claro que sim, mas não achamos que seja um fator decisivo de compra…

Incontestável é a diferença de velocidade do processador. O novo é quase duas vezes mais rápido que o anterior em determinadas tarefas. Mas, quem tem um iPad 2, sabe que ele não deixa a desejar em termos de velocidade para a maior parte dos usos.
Conexão 4G. Na nossa humilde opinião, essa é uma das maiores novidades do novo iPad. A possibilidade de usar conexões móveis 4G é o que faz a maior diferença entre os dois modelos. Isso porque enquanto o atual usa o 3G e consegue se conectar a uma velocidade de 1 Mb/s, o novo pode alcançar teoricamente até 100Mb/s – dependendo da rede, é claro. Esssa diferença de velocidade abre um mundo de possibilidades de uso para o novo iPad. Significa dizer que, onde quer que você esteja, sempre que haja uma rede 4G, você poderá navegar pela internet com uma velocidade que algumas vezes será superior a das conexões convencionais de banda larga.
E aí está o “xis” da questão para nós brasileiros. O 4G ainda vai demorar a dar as caras por aqui. Não é difícil que a Apple lance um novo iPad no começo do ano que vem, antes que tenhamos conexão 4G no Brasil. Ou seja, talvez o iPad de 4ª geração – que pode ser lançado em março do ano que vem – deve chegar antes do 4G brasileiro…

Resumindo, já que a conexão é o que faz mais diferença na nossa opinião – e já que o iPad 2 tende a cair de preço – talvez, para nós brasileiros, faça sentido investir no modelo anterior do aparelho, já que a infra-estrutura de comunicação do país não está pronta para que você possa desfrutar plenamente do novo iPad… É claro que, dependendo do seu uso, talvez a nova câmera e a nova tela façam muita diferença, o que justificaria comprar o novo iPad. Caso contrário, se você já tem um iPad 2, ou quer valorizar seus reais, talvez não valha a pena correr para a fila para comprar o novo brinquedinho por enquanto.

Vale a pena montar, item a item, seu computador novo?

O técnico de computadores Bruno Novaes explica que “a pessoa que é leiga tem que se informar um pouco com alguém que conheça,  uma pessoa, um técnico ou uma empresa em que a pessoa confie”.

Já para quem sabe exatamente o que quer e qual será a finalidade da máquina, montar um PC é totalmente viável e tem suas vantagens. A principal ainda é o fato de poder escolher todas as peças do micro, item a item, conforme sua necessidade.

Bruno explica que “comprar um computador pronto e montado, é uma compra no escuro”. Ele diz que a parte da população que compra o computador que já vem montado não está sabendo o que está adquirindo: “Ela só imagina que o computador vai suprir as espectativas dela”, comenta.

Seja por comodidade, segurança ou falta de informação, a venda de PCs montados em lojas de informática caiu bastante. Há pouco tempo esta loja vendia, em média, 30 máquinas por dia. Hoje sai, no máximo, um computador a cada 24 horas.

Os valores das máquinas prontas e das montadas são bastante equivalentes. Um equipamento mediano – suficiente para a maioria dos usuários domésticos – sai entre R$600 e R$700. Aqui, a vantagem maior dos grandes magazines é que este valor pode ser parcelado em mais vezes. As lojas menores não têm condições de oferecer tanta facilidade de pagamento.

Agora quando o assunto são máquinas de alta performance, a diferença é mesmo no bolso! Uma máquina de marca boa, completa e confiável é bem mais cara do que um micro equivalente montado em uma loja especializada.

Vale lembrar que quando a gente fala de máquinas montadas, estamos nos referindo especificamente a desktops. Montar um notebook é praticamente impossível. Nos equipamentos portáteis, o máximo que se pode fazer é trocar alguns componentes para melhorar sua performance.

E você? Qual sua opinião? Seu computador foi montado peça a peça ou você o comprou prontinho em uma grande loja de varejo? Divida sua opinião com a gente e com os outros seguidores do Olhar Digital nos comentários. Participe!

O que fazer se hackers roubarem suas contas

Por The New York Times

Post publicado no:

Seu endereço de e-mail ou perfil de rede social foi sequestrado? Bem-vindo ao clube (dos infelizes). Na rede, o roubo de contas – por meio de ataques agressivos de phishing e da disseminação de programas maliciosos que roubam senhas – se tornou uma praga. Os distribuidores de spam querem contas invadidas para conseguirem burlar os filtros de lixo eletrônico. E os golpistas, que muitas vezes mudam a senha para impedir o acesso dos verdadeiros donos, usam estas contas para encontrar dados e invadir serviços financeiros ou se passar pelos donos originais na tentativa de extrair dinheiro de seus amigos.

“Estamos falando de uma indústria de tamanho considerável. Há bilhões de dólares em jogo”, diz Dan Lewis, gerente sênior de projetos para o Windows Live Hotmail, da Microsoft. “Há organizações criminosas realmente inteligentes por trás desta atividade.” Não é difícil recuperar uma conta coabitada por um aproveitador: basta mudar a senha para excluí-lo (e realizar no PC uma busca por algum malware que possa roubar a nova senha). Mas a solução é mais difícil se o invasor dominar completamente a conta do usuário ou se o site decidiu impedir temporariamente o acesso a ela por acreditar que tenha sido invadida. Muitas pessoas descrevem o longo e doloroso processo que tiveram de enfrentar até recuperar o acesso às próprias contas. Não existe um número de telefone para ser chamado e nem um ser humano a quem recorrer. O usuário clica e torce pelo melhor resultado.

—-
O obstáculo mais comum à uma rápida recuperação do acesso é provar que se trata do verdadeiro dono da conta, dizem os sites. Os provedores de serviço consideram que entregar uma conta à pessoa errada é o pior resultado possível. Assim, se o usuário não é capaz de provar que a conta lhe pertence – por mais enlouquecedora que a situação seja – não resta alternativa senão recomeçar do início com uma nova conta. Eis o que fazer se uma de suas contas na rede for invadida.

Hotmail

Na semana passada, a Microsoft empreendeu discretamente uma iniciativa para expulsar do Hotmail todos os sequestradores de contas. Uma mensagem de alerta foi exibida para usuários cujas contas poderiam ter sido invadidas pedindo a eles que alterassem suas senhas, recorrendo a um método que seria difícil de ser ativado pelos sistemas automatizados
de um fraudador. Lewis disse que menos de 1% das contas fizeram parte deste expurgo surpresa – o que ainda assim representa um grande número de contas, levando-se em consideração que o Hotmail mantém cerca de 360 milhões delas.

Os proprietários das contas tiveram de provar suas identidades com a obtenção de um código enviado para um endereço de e-mail alternativo, ao responder a uma pergunta secreta ou por meio do fornecimento de outras informações pessoais. Se o dono da conta não conseguir recuperar o acesso por meio de um processo automatizado, ele pode recorrer à equipe de assistência online do Hotmail, pedindo que sua identidade seja validada e a senha, redefinida. Usuários capazes de provar que são os legítimos donos de suas contas recuperam o acesso em questão de 24 horas, de acordo com o Hotmail.

Numa segunda fase da luta contra os fraudadores, o Hotmail apresentou na segunda feira recursos que tornam mais fácil a futura recuperação do acesso à conta. Os usuários são orientados a fornecer ao Hotmail o número do celular, recebendo do serviço de e-mail uma mensagem de texto contendo um código adicional de segurança, e também a identificar os aparelhos que usam para acessar o Hotmail – seus “PCs de confiança” – para ajudar o serviço a saber que são mesmo eles que estão acessando as próprias contas.

Gmail

Se você não consegue entrar em sua conta do Gmail, clique em “Não consegue acessar sua conta?” na parte inferior da caixa principal da página de login e, na página do serviço de ajuda, clique no círculo ao lado de “Minha conta foi comprometida”. O Google solicitará ao usuário
que insira o mesmo número de celular e endereço de e-mail alternativo que foram fornecidos anteriormente para determinar se você é mesmo você. Caso não tenha fornecido estas informações no ato da criação da conta, você terá de preencher um formulário projetado para averiguar se você é o legítimo dono daquela conta do Google.

O Gmail pode exibir um alerta se suspeitar que sua conta seja usada por outra pessoa e ajuda o usuário a redefinir sua senha. Com frequência cada vez maior, o serviço pede aos usuários que forneçam ou atualizem informações de contato que podem acelerar o processo de
validação da conta no caso de um ataque de hackers.

Yahoo Mail

Os usuários do Yahoo Mail que tiverem suas contas roubadas devem visitar a página de ajuda do Yahoo e clicar em “Segurança” na caixa que lista os serviços mais populares.

Então, é preciso clicar em “Reportar abuso” e enviar uma mensagem usando o formulário exibido na página a seguir. A partir daí, um atendente online irá ajudá-los.

Facebook

Se o seu perfil no Facebook foi sequestrado ou suspenso, visite esta página de ajuda e envie um relatório. Se o endereço de e-mail associado à sua conta estiver sob seu controle, será relativamente fácil alterar a senha do Facebook e recuperar o perfil, diz a rede social.

Mas se a sua conta de e-mail também foi invadida ou se o seu arqui-inimigo mudou o endereço de e-mail associado ao seu perfil do Facebook, será necessário provar sua identidade por meio de certas perguntas antes que seja possível definir uma nova senha e recuperar o
acesso à conta. (Depois disso, informe-se a respeito dos novos recursos de segurança do Facebook que podem ajudar a evitar um novo caso de sequestro de perfil.)

Twitter

Usuários do Twitter que encontrarem tweets e mensagens diretas postadas a partir de suas contas e que não tenham sido enviadas por eles ou que percebam que estão seguindo pessoas sem tê-las selecionado devem acessar esta página e seguir as instruções para mudar sua senha e desconectar aplicativos do Twitter que não reconheçam ou nos quais não
confiem, que poderiam ser os responsáveis.

Se até o login for impossível, será necessário pedir ao Twitter que envie uma nova senha ao endereço eletrônico associado à sua conta. Andrew Stephens, de Cirencester, na Grã-Bretanha, conhecido no Twitter como @drhappymac, teve sua conta invadida na semana passada, e um hacker a usou para enviar tweets contendo spam. Em pouco tempo o
Twitter suspendeu a conta dele, mas, quatro dias mais tarde, ele já a tinha recuperado. “No fim do episódio, fiquei surpreso com a agilidade da resposta do Twitter. Eles impediram o acesso à minha conta em questão de minutos, e a devolveram a mim tão rápido quanto seria
possível esperar”, diz ele.

Se o seu endereço de e-mail também foi invadido, será preciso recuperá-lo antes de pedir uma nova senha ao Twitter. Se não for possível recuperar seu e-mail ou se os problemas persistirem, envie um SOS ao Twitter usando este formulário.

Perder o acesso a contas como estas pode ser uma experiência terrível. No início do mês, Jonathan Roniger, um músico de Nashville, viu-se excluído do Facebook e de duas contas de e-mail por causa da ação de um hacker, que entrou em contato com os amigos dele e solicitou US$ 1.800 passando-se por ele e dizendo estar sem dinheiro em Londres depois de ter sido assaltado durante uma viagem de férias decidida às pressas. Um amigo bem intencionado chegou a enviar dinheiro duas vezes.

Roniger recuperou o controle de sua conta do Gmail dois dias depois de tê-la sequestrada, mas foi novamente impossibilitado de acessá-la pelos hackers. Depois de recuperar o acesso à conta outra vez, ele a desativou por inteiro e abriu um novo endereço eletrônico. Ele ainda não recuperou seu perfil no Facebook, que está suspenso enquanto ele reúne fotos e documentos para provar sua identidade. Roniger diz que um amigo bem relacionado conseguiu que o Facebook impedisse o acesso ao perfil dele e “pusesse fim à loucura”, depois que ele próprio não foi capaz de fechá-lo. (Roniger poderia ter acessado esta página.)

/RIVA RICHMOND (THE NEW YORK TIMES)

Resolução e tamanho de sites da Web

 

Atualizado em 16.3.2012 – créditos: http://www.avellareduarte.com.br/projeto/interface/interface2/interface2c.htm

A resolução do monitor de um dispositivo digital indica o número de pontos (ou pixels) que compõem a imagem que aparece na tela. Uma resolução de 1024 x 768 mostra 1024 pontos em cada uma das 768 linhas do monitor, ou seja, 786.432 pontos.

A qualidade da definição de uma imagem ou texto que aparece na tela depende da relação entre o número de pontos por polegada quadrada (ppi, pixels per inch) com que a tela está configurada, sua resolução nativa e o tamanho do monitor.

Normalmente, quanto maior o monitor, maior a resolução ou densidade dos pontos com que se pode configurá-lo – embora o iPad 3, com monitor de alta resolução, quebre um pouco esta regra. De qualquer forma, quanto maior o número de pontos (bits), mais definidas aparecem as imagens.

Do mesmo modo, quando um monitor grande é configurado com baixa resolução de pontos, pode mostrar imagens embaçadas e indefinidas, pois precisa criar pontos falsos da imagem de menor tamanho. Em alguns casos, pode “esticá-la”, para ocupar toda a sua área, ou mostrar a área ocupada pela imagem com espaços laterais neutros até os limites laterais da tela.

■ As resoluções de tela mais utilizadas atualmente pelos usuários de PCs são:

◊ 1024 x 768 pixels (975 x 720) – ainda serve de referência para o desenvolvimento de web sites . Em fevereiro de 2012, foi usada por 16.38% dos usuários mundiais (site Market Share) e por 22,27% dos usuários deste site (a segunda mais usada).

◊ 1366 x 768 pixels – um dos formatos que mais tem ganho usuários no último ano. Em fevereiro de 2012, foi usada por 13,14% dos usuários mundiais (site Market Share) e por 22,27% dos usuários deste site (a mais usada).

◊ 1280 x 800 pixels – formato mais horizontal, utilizado por um número crescente de usuários. Em fevereiro de 2012, foi usada por 12.72% dos usuários mundiais (site Market Share) e 7,56% dos usuários deste site.

◊ 1280 x 1024 pixels (1240 x980) – Em fevereiro de 2012, foi usada por 8,43% dos usuários mundiais (site Market Share) e por 7,8% dos usuários deste site.

◊ 1440 x 900 pixels – Em fevereiro de 2012, foi usada por 6,35% dos usuários mundiais (site Market Share) e por 8,53% dos usuários deste site.

A resolução 840 x 640 pixels (800 x 600) hoje é pouco utilizada. Em fevereiro de 2012, foi usada por apenas 1,55% dos usuários mundiais (site Market Share) e 0,78% dos usuários deste site (veja tabela de uso de resoluções por usuários deste site deste 2007).

A resolução de iPhones e iPods Touch é de 960×640, com 326 ppi de resolução. A dos iPads2 é de 1024 x 768, a dos iPads3, é de 2048 x 1536. A resolução dos tablets Galaxy, da Samsung, de 7 polegadas, é  1024 x 600, e a de 10 polegadas, 1280 x 800.

Pesquisas mostram que as telas maiores, como as de PCs, são adequadas para atividades produtivas, enquanto as menores, como as dos dispositivos móveis, são indicadas para comunicação e entretenimento. Por isto, é importante examinar os casos de uso de cada interface para priorizar o uso num tamanho ou outro, ou em todos os tamanhos.

Para facilitar o acesso de um web site projetado para PCs, definir uma medida mínima para a largura das colunas em layouts líquidos, que se adaptam à largura das telas – a adaptação irrestrita às telas estreitas dos dispositivos faz com que muitos textos fiquem ilegíveis, especialmente se o layout tiver muitas colunas.

Variações de tamanho e resolução

■ Os formatos dos dispositivos digitais estão ficando cada vez mais heterogêneos, variando entre as grandes telas para uso de PCs desktop e as telas menores para uso em movimento.

O espaço de publicação de conteúdo de sites e plataformas web precisa considerar o aumento das diferenças entre largura máxima e mínima das telas de PCs, que variam entre 320 a 2560 pixels ou mais (quando os usuários usam mais de um monitor).

O layout das interfaces web precisa também considerar a proporção entre a largura e da altura dos monitores, que apresenta grandes variações. Esta vai desde 4:3, padrão dos aparelhos de TV e PCs, comum nas larguras de 1024 a 1280dpi, até a proporção dos monitores de HDTV, wide screen (16:9, resolução 1280×720 ou 16:10, resolução 1280×800, chegando a 1680×1050 e 2560x 1600).

Em PCs, telas com a largura de 1280dpi, por exemplo, podem ter proporção mais quadrada (como a 1280 x 1024, proporção 5:4) ou mais larga. Estas diferenças de resolução e proporção aumentam ainda mais quando se considera as telas dos dispositivos móveis (Ver Dispositivos móveis : Textos em telas pequenas).

Resoluções a considerar no projeto de interfaces web

No desenvolvimento de web sites para PCs, a decisão sobre a resolução de tela a ser adotada como padrão prioritário depende do perfil da maioria dos usuários ► Exemplo.

O usuário médio que navega na internet, escreve emails e textos, faz planilhas, tende a preferir monitores com resolução mais baixa, pois, além dos dispositivos serem mais baratos, as imagens e os textos ficam mais fáceis de ver e ler. O usuário que usa programas gráficos profissionais para edição de vídeos e imagens, projetos web, visualização de imagens complexas, costuma usar monitores grandes de alta resolução.

Os usuários de jogos costumam preferir as resoluções nativas dos monitores compatíveis com a resolução dos aplicativos, pois quando se aumenta a resolução, o desempenho do jogo tende a diminuir, na medida em que existirão mais pixels a ser processados na tela.

No projeto de intranets, como as condições de acesso são conhecidas, pode-se estabelecer uma resolução padrão que serve de base para o desenvolvimento da interface.

■ Por apresentar compatibilidade com os monitores mais antigos, muitos desenvolvedores web ainda consideram a resolução de 1024 x 768 como base para o desenho de páginas, com largura-referência da interface de 960px, incluindo as dimensões do browser e de barra de rolagem laterais.

Na internet aberta, como o público e as possibilidades de configurações e situações de acesso são amplos, é mais relevante a premissa de que o layout deve se manter estruturado em diferentes configurações. Desta forma, mesmo os usuários com resoluções de tela não prioritárias podem ter uma boa experiência de uso. O tamanho ideal da página previsto no layout deve incluir o maior número de visitantes possível, com uso de diferentes resoluções. ► Exemplo

Alguns autores, como Ethan Marcotte, defendem o chamado “responsive design”, segundo o qual o design de interfaces web para um número cada vez maior de dispositivos deve considerar as diferenças de resolução como facetas da mesma experiência. Pode-se desenhar para uma experiência ideal, mas também agregar tecnologias baseadas nos padrões web para que as telas sejam renderizadas de modo adaptativo a cada mídia ► Exemplos – link externo. (2)

Agradecimentos a Herminio Vitoria, pelas dicas e pelas trocas de ideias.

Leia mais em http://www.avellareduarte.com.br/projeto/interface/interface2/interface2c.htm#ixzz1vF6Rr4L8

Imagens para web – GIF, PNG ou JPG?

O Photoshop vem melhorando constantemente seu algoritmo de compressão para imagens web. E desde que a Adobe adquiriu a Macromedia (e seu Fireworks) o processo de salvar imagens mais leves e de melhor qualidade ficou ainda melhor. A opção “save for web” é repleta de opções e, por assim dizer, armadilhas para quem não é familiarizado com a ferramenta.

Com a imagem aberta no Photoshop selecione o menu File > Save for Web ou pressione Alt+Shift+Ctrl+S.

Da janela que se abre, o que interessa pra nós são as opções da coluna direita, apresentada abaixo:

a tela de opções da ferramenta save for web do Photoshop repleta de parâmatros e filtros

 

Para efeito de comparação entre o original e o resultado final, sugiro escolher a opção “2-Up”, que mantém as imagens lado a lado (ou em cima e abaixo se ela for muito comprida na horizontal).

escolha a opção 2-Up, para exibir as imagens original e optimizada lado a lado

1. GIF, JPG, PNG-8 ou PNG-24?

São as extensões de arquivo e definem a taxa de compressão e a qualidade da imagem. Discutir sobre qual extensão é a ideal depende tão somente do tipo de imagem (foto, figura, logomarca, textura, etc.) e a abordagem pode girar em torno do conceito técnico ou gosto pessoal.

A princípio, todas essas extensões têm um só objetivo: reduzir o peso do arquivo. Tanto melhor se mantiverem a qualidade da imagem. E é aí que reside o diferencial de cada uma.

GIF e PNG-8 trabalham com compressão de imagem através da quantidade de cores que você escolhe e permitem fundo transparente. JPG tem seu algorítimo de compressão baseado na qualidade desejada (baixa, média, alta, muito alta ou máxima) e não permite transparência. Já o PNG-24 não é configurável e se baseia na quantidade de cores da imagem e transparência. É o mais fiel ao arquivo original e também o que pode gerar os arquivos optimizados mais pesados.

  • GIF (Graphics Interchange Format) serve para imagens com cores sólidas (chapadas) sem muitas nuances (degradés) em grandes áreas e permite escolher a quantidade de cores para sua composição (item 8).
    Recomendado para: logomarcas, ícones e textos (como IR para títulos, por exemplo).
  • PNG-8 (Portable Network Graphics de 8 bits), como o próprio nome já diz, é uma extensão voltada para distribuição em rede. Veio para substituir o GIF mas nem sempre gera arquivos menores que seu concorrente. Por conta disso sempre procurei, sem sucesso, um estudo científico que comparasse o algorítimo de compressão de ambos para fins de benchmarking. Sendo assim, recomendo que você teste entre um e outro para ver qual gera o menor arquivo, pois a olho nu são absolutamente idênticos. Particularmente percebo que o PNG-8 se sai melhor do que o GIF. No entanto, se tiver fundo transparente você pode esbarrar em um problema ainda conhecido: compatibilidade com o IE6.
    Também é recomendado para: logomarcas, textos e ícones.
  • JPEG (Joint Picture Experts Group) – ou simplesmente JPG – foi criado para fins fotográficos e seu método de compressão foi pensado para fins de armazenamento. Imagens de alta qualidade necessitam de maior espaço, e vice-versa. Para fins de internet, configurar a qualidade em torno de 40% (média) a 60% (alta) geram resultados mais que satisfatórios e não existe padrão específico. Tudo vai depender do original e da necessidade. Lembrando que um original ruim gera uma imagem ruim e, nesse aspecto, o JPG se assemelha muito às fotocópias impressas. Ou seja, a cópia da cópia vai piorando gradativamente. Assim, o JPG do JPG perde cerca de 20% da qualidade. Portanto, mantenha sempre a matriz para eventuais alterações e poder gerar novos JPGs.
    Recomendado para: fotos, texturas, amplos degradés e imagens de grandes dimensões em geral.
  • PNG-24 (Portable Network Graphics de 24 bits) vem sendo utilizado amplamente não só por sua fidelidade ao original mas por permitir transparência real, sem matte (explico mais adiante o item 5D). Pensando no custo-benefício, se a imagem for uma foto, o JPG sai ganhando pela compressão.

2. Tipos de optimização (GIF e PNG-8)

É a maneira com que a tabela de cores é gerada. O extinto programa Adobe ImageReady (vinculado ao Photoshop 6) chamava isso de “algoritmo de redução de cores”.

  • Perceptiva gera uma tabela de cores com base na percepção do olho humano.
  • Seletiva é semelhante a anterior, porém tenta preservar cores sem contraste e também as web-safe colors. Tende a gerar arquivos ligeiramente maiores, mas é a mais recomendada.
  • Adaptativa se baseia na porção do espectro de cores que representa a maioria das cores na imagem e, portanto, também gera arquivos um pouco maiores que a anterior.
  • Restritiva é a que mais “foge” da semelhança com o original, pois transforma todas as cores da imagem em web-safe colors. E permite que você escolha a quantidade de cores. Curiosamente é a que pode gerar o arquivo de maior tamanho. Mas isso acontece devido a inserção de novos pixels na imagem para que duas ou mais cores, próximas, tentem se parecer mais com o original. O que, de fato, nem sempre acontece. Não recomendo essa optimização pois seu uso é muito específico.

2. Tipos de optimização (JPG)

Tanto em qualidade baixa, média, alta, muito alta e máxima, a compressão do JPG pode ser:

  • Progressiva exibe a imagem aos poucos, permitindo que o usuário perceba que uma imagem está sendo carregada. Deixe esta opção marcada caso sua finalidade seja para dispositivos móveis ou de conexão mais lenta. JPGs progessivos são ligeiramente mais pesados, pois carregam informações extras para a exibição gradativa.
  • Otimizada usa uma tabela de compressão mais efetiva e reduz consideravelmente o peso do arquivo sem perda visual de qualidade. Deixe essa opção marcada sempre.

3. Quantidade de cores (somente GIF e PNG-8)

Desnecessário explicar muito. Mas procure evitar a quantidade máxima (256). A diferença visual usando a metade das cores pode ser imperceptível, já o tamanho do arquivo, não. Na maioria das vezes, botões de menu, itens de navegação e ícones podem ser exibidos muito bem com 32 ou 64 cores. E vale lembrar que você pode escolher um número qualquer de cores além das pré-definidas, mas não recomendo, exceto em casos muito específicos.

4. Dithering

exemplo da atuação do dither, que usa de ruído para imitar visualmente um degradéDither é um “ruído” aplicado intencionalmente para tornar mais homogênea a passagem de uma cor para outra, prevenindo grandes áreas de cor chapada (steps visíveis do degradé). Sem ele a imagem pode ficar com um aspecto de ilustração.

Já os 3 métodos de dithering são muito parecidos a olho nu e o único que pode alterar significativamente no tamanho do arquivo é a 3ª opção.

  • Diffusion, o método mais comum e mais utilizado, por randomização de pixels. Permite ajustar sua intensidade.
  • Pattern, por porções da cor. Padrões definidos se misturam.
  • Noise resulta num ruído mais intenso, inserindo pixels de cor não semelhantes aos seus vizinhos.

5. Transparência (somente GIF, PNG-8 e PNG-24)

exemplo de GIF e PNG com transparência por matte, que é um calço de cor para simular uma transparência real

Apesar de GIF/PNG-8 e o PNG-24 permitirem transparência, somente no PNG-24 ela é, digamos, real. No GIF e PNG-8 a transparência é obtida pormatte, uma espécie de “calço de cor”. Veja na imagem ao lado, figuras com linhas retas como o quadrado não necessitam de matte (e nesse caso nem de transparência, concorda?).

Já rotacionando o quadrado temos linhas diagonais cujo efeito serrilhado, conhecido tecnicamente comoalias gera pixels com cores intermediárias para suavizar visualmente o limite de resolução da tela. Quanto menor a resolução da tela, mais perceptível o serrilhado.

matte entra exatamente onde o anti-alias age. Os pixels transparentes gerados pelo anti-alias são “calçados” previamente pela cor de fundo para causar um melhor recorte. Então, se gerarmos um GIF/PNG-8 transparente com matte em branco, como no exemplo ao lado, o serrilhado continua perceptível em fundos que não sejam o branco, dando uma impressão de falsa transparência.

O PNG-24 acaba com essa limitação, eliminando a necessidade do matte e ampliando o uso de imagens com muitas transparências, sombras, reflexos e etc.

6. Modo Entrelaçado

Entrelaçado e Não Entrelaçado são os modos de exibição da imagem no monitor.

GIFs não entrelaçados são exibidos de cima para baixo de uma só vez. Mesmo que muito rápido, dependendo do tamanho da imagem pode gerar um efeito chamado “flickering” (cintilante) pois o espaço a ser exibida a imagem aparece antes de ela própria.

Já imagens entrelaçadas são exibidas em 4 etapas. A primeira etapa exibe as linhas 8, 16, 24, … (1/8 dos dados da imagem) a segunda as linhas 4, 12, 20, … (1/4 dos dados), depois as linhas 2, 6, 10, … (1/2 dos dados) e finalmente as linhas 1, 3, 5, … completando o carregamento.

exemplo de imagem sendo exibida em 4 etapas para exemplificar o modo entrelaçado

Felizmente, desde a chegada da internet banda larga, não existe mais perceptível vantagem ou desvantagem entre um modo e outro. No entanto, para seu conhecimento, mesmo em conexões mais lentas a desvantagem do modo entrelaçado só era percebida em arquivos muito pequenos (algo em torno de 6Kb), pois este acrescenta alguns bytes no tamanho do arquivo. Por serem pequenos, carregavam mais rápido, não havendo necessidade de mudar seu modo de exibição. Afinal, alguns bytes para um arquivo de cerca de 6Kb faz fazia mais diferença do que uns poucos kbytes para um arquivo de 200, 300, 500Kb.

7. Perfil de cor

Explicar perfis de cores vai além do propósito deste artigo. Melhor deixar essa opção sempre marcada para que toda e qualquer imagem gerada saia com o perfil de cor ideal para internet: O padrão sRGB.

8. Tabela de cores (somente GIF e PNG-8)

Mesmo que você escolha a quantidade de cores (item 3) para compressão, se a imagem contiver um número menor de cores, a tabela exibirá apenas as cores existentes, ignorando a quantidade máxima que você escolheu. Já se a imagem for muito elaborada você pode limitar o número de cores a serem exibidas. Os pequenos losangos brancos em algumas cores representam as web-safe colors. Se você for editar a tabela (remover ou adicionar cores por sua conta) evite remover qualquer uma das web-safe colors.

Penso que isso seja suficiente para que você possa gerar imagens mais leves e de maior qualidade. Se ainda restar dúvidas ou tiver alguma crítica ou sugestão, comente!

Referências:

Cansado de ficar mudando de provedor?

Cansado de ficar mudando de provedor?
Temos servidores de última geração que garantem 99% do tempo no ar. Buscamos a máxima qualidade em hospedagem de sites para nossos clientes, com estrutura e tecnologia de ponta.

Nós lhe oferecemos suporte via email, telefone, HelpDesk e Msn. Temos planos com a melhor relação custo benefício em hospedagem de sites.
clique aqui
para conhecer nossos planos.