Empresa pequena tem que ter domínio próprio

Por Renato Fridschtein

Dicas básicas de registro de domínio.

Cinco motivos para que a pequena iniciativa tenha um nome próprio e não algo como www.xpto.com/tal/minhaempresa.

Nos primórdios da internet as redes que a formavam eram representadas por números (ex. 201.123.12.154). Como não havia tantas redes assim, estava tudo bem.

À medida que mais e mais computadores eram conectados ficava difícil lembrar o numero de determinada rede; então alguém surgiu com a idéia de criar os nomes de domínio. Ou seja, as redes receberiam um número e um nome equivalente a este número.

Um computador ficaria encarregado de traduzir cada nome do domínio para o número correspondente e assim encontrar o computador (e a informação) que você estivesse procurando. Este serviço é chamado de DNS (serviço de nomes de domínio).

Assim surgiram os nomes como harvard.edu, senate.gov, microsoft.com, etc. O que vem depois do ponto é chamado de sufixo e identifica o tipo de rede a que serve. Os primeiros tipos criados foram com (comercial), mil (militar), edu (entidades educacionais), org (entidades sem fins lucrativos), net (relacionado com redes) e gov (departamentos governamentais).

Desta forma, se poderia saber que tipo de entidade você está conectando graças ao sufixo de seu nome de domínio.

Mas a rede não parou de crescer e logo atravessou as fronteiras dos EUA. Para acompanhar o crescimento de domínios registrados e para que os nomes disponíveis não acabassem rapidamente, foi acrescentado ao sufixo um par de letras para identificar o país de origem.

Os domínios brasileiros terminam com .br, italianos com .it, argentinos com .ar e assim por diante. Somente os Estados Unidos não precisam da designação do país porque a internet começou lá e não se sabia ainda que iria crescer tanto.

Cada nação tem alguma empresa ou entidade que cuida da distribuição dos endereços de internet para que duas pessoas não tenham nem o mesmo número e nem o mesmo nome.

A HP por exemplo, pode ser hp.com nos EUA e hp.com.br no Brasil, fica fácil de entender. Mas e o www? O que vem antes do nome, ou seja, o prefixo é uma divisão da rede que trata de um assunto especifico.

A maioria dos domínios que navegamos usam o www para representar a world wide web ou simplesmente a web, mas você já deve ter visto algo como mail.empresa.com (servidor de e–mail) ou support.Microsoft.com (área de suporte da Microsoft).

Agora você já sabe como esta solução simples é usada para encontrar as informações que procura na internet. Mas para que eu preciso disto?

Cinco razões principais porque sua empresa não pode deixar de ter o próprio nome de domínio:

1. Identificação – O nome de domínio identifica seu pedaço da internet. Você pode usar qualquer coisa, nome da empresa ou do produto e até mesmo um nome inventado. Assim fica mais fácil encontrar suas páginas e conseqüentemente vender;

2. Único – Os computadores não saberiam distinguir entre dois nomes iguais. Desta forma só pode haver um nome de domínio para cada pessoa ou empresa. Esta qualidade faz com que não dê para se enganar ou roubar o tráfego de outro empreendimento;

3. Proteção da marca – Como só pode haver um nome único, outra pessoa pode registrar um domínio com sua marca, como aconteceu com aol.com.br, rider.com.br e outras marcas famosas. Em alguns casos a justiça pode dar ganho de causa para o detentor da marca, como no processo sobre o domínio esporteespetacular.com.br, mas só em que a marca seja registrada e se possa provar que o registro foi de má fé.

Aol.com.br é um caso que ilustra o fato. A empresa que o registrou se chama América On–line também e é um provedor de acesso a internet e sendo assim garantiu a propriedade deste famoso endereço.

4. Credibilidade. Para mim esta é a principal razão. Nomes de domínio são patrimônio muito barato para se optar por não usá–los. O que vai pensar um cliente se o endereço de suas páginas for algo como www.geocities/tropic/A/12345/minhaempresa?

Provavelmente ele vai pensar que se trata de um enganador e não vai querer comprar nada de alguém que não pode investir R$ 40,00 por ano no registro de um nome domínio. Aliás, este é o quinto motivo.

5. Investimento acessível. Por apenas R$ 40,00 ou US$ 10,00 por ano você reserva seu domínio e ninguém tasca. Se não puder manter esta despesa anual, bem, é melhor fechar as portas…

Você me convenceu. O que faço agora? Para ter seu próprio nome de domínio é fácil e barato. Naturalmente o primeiro passo é escolher um nome para registrar.

Pense em um nome curto, fácil de lembrar e entender. Você não quer soletrar seu nome toda vez que o disser. Use sua marca ou um benefício importante de seu produto para o domínio. Assim você empresta mais credibilidade e torna mais fácil de encontrar.

Se encontrar dois ou três nomes que considera muito bons, registre todos e aponte–os para o mesmo lugar. Não importa o que o internauta escolha, ele acabará encontrando a mesma informação.

.com ou .com.br? A única diferença é que cada um representa o país em que está registrado. Escolha o qual se encaixar melhor em sua idéia ou se você chegou tarde e aquele .com.br que você queria está registrado, tente o .com.

Diferente do que muita gente pensa você pode, com algumas exceções, registrar os domínios dos países que quiser. Por exemplo .de é o sufixo da Alemanha e você poderia criar um nome em que o .de se tornaria a preposição de, como em www.pagina.de. Use a imaginação!

Após decidir o nome e o sufixo verifique se ele já existe, caso em que você terá de escolher outro. Para faze–lo, vá a um site de registro de nomes. A única opção para domínios brasileiros é o http://registro.br. Use–o se quiser um domínio .br. Para domínios internacionais você pode usar vários serviços.

Se o nome estiver livre, você poderá registrá–lo, basta seguir as instruções de cada um.

About professores

Professor particular de informática em Curitiba especializado em atender a Terceira Idade. Atendo apenas na casa do aluno.