A gratidão e o carinho dos alunos

Me mudei para Curitiba no ano de 2000, vim de Foz do Iguaçu onde morei por 4 longos anos, quando lá ministrei muitas e muitas aulas de informática os 7 dias da semana, sim, inclusive domingo. Cansado de uma sociedade injusta e um “sócio” come e dorme, me mudei com minha esposa Andréa, para Curitiba.

Nesta maravilhosa cidade tão fria, eu e Andréa, ministramos aulas nas 2 maiores escolas de informática: a Microcamp e a People. A Microcamp (onde permanecemos mais tempo) tinha pelo menos 4 unidades espalhadas pela cidade, e nós ministramos aulas em todas as 4, mesmo que eventualmente.

Dar aulas em turma era (e é) muito gratificante, se não fosse a pressão injusta em cima dos professores, com foco apenas no interesse financeiro de seus donos e diretores. Minhas aulas eram animadas, dinâmicas com muitas piadas e por que não dizer palhaçadas. A linda e maravilhosa cidade de Curitiba possui algumas características humanas ímpares (totalmente discrepantes do resto do Brasil) que não convém debater aqui e agora, mas ministrando aulas em turmas fiz grandes amigos que mantenho até hoje passados muitos anos.

Cansado da vida de funcionários, eu e Andréa resolvemos nos aventurar na autonomia, onde permanecemos até hoje. Não poderia ter  feito nada melhor de minha vida. Inclusive me especializei em terceira idade, apesar de ministrar aulas VIP (particulares) de informática para quaisquer idades.

Até hoje tenho amizade e contato com Célia (Fisioterapeuta), Jacqueline (que se tornou minha dentista), Vernei (autônomo piadista kkk) alunos do coração que se tornaram amigos da época da Microcamp, nas palhaçadas em sala de aula.

VIP, do inglês, Very Important Personal ou “Pessoa Muito Importante”, é a modalidade de ministrar aula particular, com o detalhe que atendo o aluno em sua própria residência ou local de trabalho e em seu próprio equipamento. Sim, são muitos alunos, em muitos locais da cidade, de norte a sul, as vezes fora da cidade, na região metropolitana, todos muito gentis, muito queridos.

Mas quem me inspirou a escrever este texto foi a Marcella Lopes Guimarães. Coincidência foi, que o marido dela, trabalhava na mesma

empresa de minha esposa, nos colégios Bom Jesus de Curitiba. Hoje recebi um e-mail muito gentil, e principalmente gratificante da Marcela, que fez um post legal em seu blog – http://literistorias.blogspot.com.br/2016/07/1-ano-de-literistorias.html – lembrando do “Tio Dalton”, que é como costumo me apelidar diante da vida de professor kkkk.

Vou até pedir uma foto de Marcella para postar bem aqui ao lado, talvez com a linda filha para iluminar este post e a admiração e carinho deste professor.

A aluna Marcella, ou melhor, a Professora Marcella Lopes Guimarães, é uma dessas pessoas “crânio”, com Mestrado, talvez Doutorado, fera em História que ministra aulas e etc, na Universidade Federal do Paraná. Quando a conheci fiquei muito admirado com a simpatia e educação de tão simpática carioca, que até hoje troca e-mails comigo.

Pois bem Marcella, aluna querida, e hoje minha amiga, você fez um post para mim, eu retribuo de coração com muita humildade e dedico este post de gratidão a você: como é bom ser reconhecido!!! Como é bom ser útil!! Como é bom ter resultados e ver os olhinhos de meus alunos brilhando!!

Eu que agradeço!

Marcella e linda filha

Marcella e linda filha

Professor Dalton, formado como Engenheiro Civil, pós-graduado em Educação em Valores Humanos, também em Estudos da Consciência com ênfase em Parapsicologia, poeta emotivo do coração, escritor, professor “palhaço”, brincalhão, irreverente, blogueiro, “viajandão na maionese“, ET que tem saudades de seu planeta natal.

Amor, Paz e Luz!